Clube do Livro de Literatura Chinesa

clube do livro de literatura chinesa

Em 2021, lançamos um Clube do Livro focado em obras traduzidas para o português e de fácil acesso para o público brasileiro. Os encontros ocorrem mensalmente, às segundas-feiras, às 19h. Eles são realizados pelo Zoom, com apoio da Observa China. Caso tenha interesse em participar, se inscreva aqui

Não é obrigatória a participação em todos os encontros, venha se puder. Como será espaço cheio de spoilers, recomendamos que você chegue com a leitura em dia (ou não se importe).

 

Próximos encontros:

23 de maio de 2022: Flores Matinais Colhidas ao Entardecer, de Lu Xun – 240p. A obra reúne dez textos em prosa escritos em 1926. Conhecida como coletânea de textos reminiscentes, traz registros de memória que ilustram os caminhos trilhados e as experiências adquiridas pelo autor, da infância até a juventude. São, ao mesmo tempo, retratos vívidos do cotidiano do final da dinastia Qing até o início da República na China.

20 de junho e 25 de julho de 2022: Na Terra do Cervo Branco, de Chen Zhongshi – 864p (devido ao tamanho, o livro será discutido em dois encontros, cada um para metade da obra). Na planície que dá nome ao livro, as famílias Bai e Lu, parte de um mesmo clã, alternam-se no poder. Acompanhamos três gerações destas famílias, enquanto testemunham a onda de mudanças e destruição a que o povo chinês foi submetido na primeira metade do século XX.  Acompanhamos personagens em busca de suas revoluções pessoais por meio da educação, do banditismo ou da adesão aos grupos de poder. Vemos a opressão patriarcal e as tentativas de libertação feminina. Por fim, vemos como as escolhas pessoais levam famílias amigas a lados opostos de uma guerra fratricida.

22 de agosto: O Garoto do Riquixá, de Lao She – 336p. Ambientada na Pequim dos anos 1920 e 1930, tempos de grande efervescência social e política na China, a trama acompanha a catártica cruzada de Xiangzi, o personagem-título. Vindo do campo, ele se instala na metrópole determinado a se tornar um condutor de riquixá. A ideia que o anima é simples: economizar seus yuans para conseguir comprar o próprio veículo e, assim, se tornar um trabalhador autônomo. No entanto, sua missão não será nada fácil.

19 de setembro: Compre-me o Céu, de Xinran – 300p. Este livro fala de homens e mulheres nascidos na China depois de 1979 – as gerações recentes criadas sob a política do filho único. Dentro de suas famílias, são vistos como príncipes, mas tanto afago os tornou isolados, confusos e incapazes de lidar com a vida prática.

24 de outubro: Viúva de Ferro, de Xiran Jay Zhao – 480p. As meninas de Huaxia só têm uma alternativa de vida melhor: serem sacrificadas ao se unirem aos guerreiros que pilotam Chrysalises, robôs gigantes capazes de lutar contra os alienígenas que se escondem além da Grande Muralha. As garotas não se perguntam se, mas quando vão morrer ao serem escolhidas para servir os guerreiros no campo de batalha e fora dele. Aos dezoito anos, Wu Zetian se alista como concubina com apenas um objetivo em mente: vingança. Seu plano é matar o piloto que tirou a vida de sua irmã, mas a situação toma um rumo brutal e inesperado, e Zetian recebe um título muito temido: Viúva de Ferro, uma mulher que, ao contrário do esperado, suga a energia dos homens nas crisálidas e os leva à morte.

21 de novembro: O Ensandecido, de Ha Jin – 328p. Perto de seu exame de admissão ao doutorado em literatura na Universidade de Pequim, o jovem Jian Wan é escalado pelo Partido Comunista para acompanhar o professor Yang, seu orientador, durante o período de recuperação depois de um derrame. No leito do hospital, o professor delira e faz revelações que, aos olhos de Jian – futuro genro e aluno predileto do mestre —, compõem um retrato da situação política e cultural da China contemporânea. Aos poucos, a trama ultrapassa o delírio e vai se conectando à realidade.

19 de dezembro: Pequim em Coma, de Ma Jian – 700p. O estudante de biologia Dai Wei foi atingido por um tiro na cabeça durante o Massacre da Praça da Paz Celestial, em 4 junho de 1989. Em coma há uma década, o corpo se tornou sua prisão, mas ele pode ouvir tudo o que acontece ao redor: os esforços da mãe para mantê-lo com vida; a ação do governo para suprimir toda a memória da tragédia; o envolvimento de seus amigos com o capitalismo frenético chinês. Uma história deslumbrante e corrosiva sobre o doloroso passado recente da China e seu inquietante futuro.

——

Encontros já realizados:

Abril de 2022: Três Irmãs: As mulheres que definiram a China moderna, de Jung Chang – 519p. O mais conhecido conto de fadas chinês moderno é a história das irmãs Soong, cujas vidas se estenderam do fim do século XIX ao início do século XXI. A Irmã Mais Velha, Ei-ling, casou-se com o homem mais rico da China, H. H. Kung. A Irmã Vermelha, Ching-ling, foi a companheira de Sun Yat-sen, pai fundador da China moderna e seu primeiro presidente. E a Irmã Mais Nova, May-ling, se tornaria a ambiciosa Madame Chiang Kai-shek, esposa do líder da República da China.

Março de 2022 – Folding Beijing, de Hao Jingfang. The story pictures future Beijing as a megacity divided into three separate spaces that share the same earth surface in each forty-eight-hour cycle. On the first side is First Space, inhabited by only five million people. Twenty-five million live in Second Space and fifty million in Third Space. Winner of the 2016 Hugo Award for Best Novelette.

Fevereiro de 2022 – Balzac e a costureirinha chinesa, de Dai Sijie. Durante a Revolução Cultural, o livro fala sobre a felicidade da descoberta da literatura. Dois amigos, Ma e Luo, são enviados para um vilarejo durante a campanha de reeducação nos anos 70. Eles descobrem uma série de obras europeias, que eles vão ler para a filha do alfaiate da vila. O livro foi originalmente escrito em francês, pois o autor mudou-se para o país na década de 80 e foi adaptado para o cinema, dirigido por ele.

Janeiro de 2022O fim da morte, de Liu Cixin. O terceiro livro da trilogia Lembranças do Passado da Terra, uma das obras mais populares da ficção científica moderna.

Dezembro de 2021As boas mulheres da China, de Xinran. Entre 1989 e 1997, a jornalista chinesa Xinran entrevistou mulheres de diferentes idades e condições sociais, de modo a compreender a condição feminina na China moderna. Seu programa de rádio discutia questões pouco mencionadas em público, diretos das mulheres, tabus da vida íntima, violência no âmbito doméstico e familiar, opressão e preconceito. Neste livro, que se tornou um best-seller, ela narra experiências de suas entrevistadas e também conta a sua própria história.

Novembro de 2021 – A Floresta Sombria, de Liu Cixin. O segundo livro da trilogia Lembranças do Passado da Terra, uma das obras mais populares da ficção científica moderna.

Outubro de 2021 – As Rãs, de Mo Yan. “Um não é pouco; dois é bom; três é demais.” Eis o slogan lançado pela Nova China em 1965 para conter o rápido crescimento populacional, numa política de planejamento familiar que se perpetuará por décadas. Nesse contexto, o Nobel de literatura Mo Yan dá voz a Corre Corre, aspirante a escritor que vê a tia como heroína e quer transformar sua vida em peça de teatro, não sem antes rememorar sua história. Nascida em 1937, é a primeira parteira da aldeia a estudar obstetrícia, trata-se de uma mulher extraordinária, que se torna oficial do Partido e tem de levar o planejamento familiar do Estado às últimas consequências.

Setembro de 2021 – O problema dos três corpos, de Liu Cixin. O primeiro livro de uma trilogia e uma das obras mais populares da ficção científica chinesa moderna. Enquanto o país inteiro está sendo devastado pela violência da Revolução Cultural, um pequeno grupo de astrofísicos, militares e engenheiros começa um projeto ultrassecreto envolvendo ondas sonoras e seres extraterrestres. Uma decisão tomada por um desses cientistas mudará para sempre o destino da humanidade e, cinquenta anos depois, uma civilização alienígena à beira do colapso planeja uma invasão.

Agosto de 2021 – Viver, de Yu Hua. Publicada em 1996, é uma saga familiar que conta a história do filho de um proprietário de terras em uma China passando por inúmeras mudanças no começo da República Popular da China. Foi adaptado para o cinema (“To Live”), sob direção de Zhang Yimou.

Julho de 2021 – O sonho da aldeia Ding, de autoria de Yan Lianke. Lançado em 2005, o livro acabou proibido na China. A história é baseada em fatos reais, contando como a não regulada venda de sangue nos anos 1990 levou a uma epidemia de HIV/Aids, especialmente na província de Henan.

Maio e Junho de 2021 – Cisnes Selvagens, de autoria de Jung Chang. Publicado originalmente em inglês, em 1991, virou um best-seller. Jung Chang nasceu na China, filha de dois oficiais do Partido Comunista da China. O livro conta a trajetória de boa parte da história da China moderna, a partir de três gerações da família (a sua avó, sua mãe e ela própria).

Assine a nossa newsletter!

%d blogueiros gostam disto: